Navegação – Mapa do site
Artigos

Sociedade dos fluxos comunicacionais e novos eventos rituais: o caso das redes sociais e dos smart/flash mobs

Lídia Oliveira

Resumo

A sociedade contemporânea é marcada pelas comunicações mediadas pelos serviços disponibilizados pela Internet e pelos serviços móveis de comunicação. Neste contexto o conceito de Web 2.0 proliferou como matriz das novas dinâmicas da comunicação on-line, atribuindo à cooperação, à colaboração e ao estabelecimento de relações rizomáticas a essência dos rituais da co-presença no espaço virtual. Com este artigo visa-se reflectir sobre os rituais de interacção no seio das redes sociais on-line e dos designados smart e flash mobs e problematizar se esses rituais de interacção são promotores de comunicação ou se incrementam uma colaboração paradoxal ou (quase)-incomunicação.

Topo da página

Entradas no índice

Topo da página

Texto integral

Introdução

1O que é que na actualidade dá que pensar que seja matriz ontológica dessa contemporaneidade? O que dá que pensar e faz a reelaboração simbólica do real é a estrutura em rede de fluxos que contaminou todas as lógicas, da económica à social, passando pela pessoal. Somos na rede, somos nas redes sociais progressivamente emigrantes para o espaço imaterial, tecido de relações que desafiam as dinâmicas locais porque incorporam os sujeitos nas dinâmicas globais e porque estes incorporam estas dinâmicas na sua cosmovisão local. Esta é afectada, contaminada e contaminando num círculo hermenêutico, que confronta visões de mundo, de cultura e que proporciona a geração de novas visões mais ou menos hibridizadas, mais ou menos hegemónicas, mais ou menos glocais. Pina Cabral (1998), para tratar da questão da globalização, faz a distinção entre culturas “orgânicas” e “supraculturas”.

Por culturas orgânicas quero dizer as disposições culturais que adquirimos no seio da nossa vivência pessoal e, particularmente, como parte das nossas solidariedades primárias. É aí que estruturamos as nossas concepções centrais de tempo e de espaço, aquelas que traremos sempre dentro de nós. […] O que é importante compreender é que, quando falamos de novos espaços e novos tempos ligados a novas tecnologias comunicacionais, falamos de formas de tempo e de espaço que nos afectam só parcialmente e só por relação a um tipo de situação que não é a mais importante para cada um de nós – a nossa casa, a nossa família, a nossa ‘vidinha’, para usar a expressiva locução proverbial portuguesa.

Na Internet situamo-nos dentro do funcionamento de disposições supraculturais. Disposições que se sobrepõem às culturas orgânicas, mas que não as alteram integralmente. As culturas orgânicas são forçadas a integrar dispositivos de adaptação por forma a compatibilizarem-se com essas disposições supraculturais. Esta é a sua condição de sobrevivência, mas não são forçadas a hibridizarem-se, a perderem a sua essência, a desaparecerem aos bocados – como é hoje moda alardear. (Cabral, 1998: 867)

2Se para um imigrante digital a sua cultura orgânica é o quadro dominante de interpretação do mundo e do que lhe chega das disposições supraculturais, para um nativo digital1 a sua cultura orgânica tende a coincidir com o que Pina Cabral apresenta como supracultura. É evidente que cultura orgânica continua a coexistir com a supracultura. O desafio no contexto contemporâneo em que se assiste à naturalização das tecnologias de comunicação nas rotinas cognitivas e sociais das novas gerações é compreender se é a cultura orgânica ou a supracultura quem tem o peso dominante na construção simbólica do real, o qual é “marcado pela compressão sem precedentes do tempo e do espaço, pela racionalização, impessoalização e desterritorialização das relações sociais” (Costa, 2005: 112).

3Neste sistema-mundo a vida quotidiana continua marcada por numerosos sistemas de comportamentos ritualizados (Browne, 1980), contudo, as investigações sobre fenómenos rituais das culturas pós-industriais não são abundantes, nomeadamente sobre os eventos rituais no contexto dos novos media. Daí o interesse em reflectir sobre os comportamentos e eventos rituais em novos contextos de comunicação e sobre os próprios eventos rituais como mecanismos de comunicação. O ritual como fenómeno de comunicação e a comunicação como fenómeno ritual.

Comunicação e ritual

4É no contexto da comunicação mediada pela Internet, pelos sistemas de comunicação móvel e pelos serviços de promoção das relações sociais, ou seja, os serviços que têm como lógica a interacção mútua e não a interacção reactiva que se pretende analisar a ritualidade dos processos de comunicação contemporâneos, fazendo uso da distinção proposta por Primo, segundo o qual a “[…] interação mútua é aquela que é caracterizada por relações interdependentes e processos de negociação, em que cada interagente participa da construção inventiva e cooperada da relação, afectando-se mutuamente; já a interacção reativa é limitada por relações determinísticas do estímulo e resposta.” (2003: 62).

5É objectivo ler fenómenos comunicacionais típicos da contemporaneidade – as redes sociais on-line e os smart/flash mobs – como eventos rituais. Neste sentido, retoma-se um quadro teórico global, ainda que não exaustivo, sobre a questão do comportamento ritual, da tipologia dos comportamentos rituais, avaliação da vitalidade do ritual para realizar essa leitura. Com a proposta desta leitura a partir de um conceito clássico da antropologia, como é o conceito de ritual, pretende-se dar um contributo para enriquecer o olhar sobre os processos de comunicação contemporâneos suportados pela Internet e pelas comunicações móveis ubíquas e, por outro lado, sublinhar a dimensão heurística do conceito de ritual.

6Uma nova gramática do encontro, num rito de associação, em que o próprio acto de associar o outro e de o outro me associar assume uma função gramatical no tecido de um território relacional, em que o link enquanto cimento social se assume como instrumento de efectivação do espaço relacional. A associação de “amigos” nas redes sociais on-line como evento gramatical de uma nova geração, ou seja, como parte do seu reportório cultural.

7É importante que se retomem algumas definições de ritual como uma forma de actualização e geração de contexto de reflexão.

  • 2 No caso das citações que foram objecto de tradução, essa tradução é da responsabilidade da autora d (...)

O que quero dizer com ‘ritual’? Obviamente, o ritual é um modo formal da acção, obviamente ritual enfatiza a acção simbólica sobre a acção tecnicamente instrumental, geralmente, o ritual é importante ao nível das relações sociais e da ordem social. […] Vou definir ritual como o desempenho voluntário de comportamento modelado adequadamente, para simbolicamente afectar ou participar na vida séria. (Rothenbuhler, 1998: ix)2

Conclusão […] que o ritual é uma das mais fortes formas de eficácia comunicativa. […] Análises das sucessivas camadas das propriedades comunicativas do ritual (por exemplo, os símbolos, realizada por alguém, com referência a coisas que não materialmente presentes, e assim por diante) para chegar a uma compreensão do poder peculiar de comunicação ritual. (Rothenbuhler, 1998: 53)

8O ritual apresenta-se como um meio/modo de comunicação. Dos rituais de nascimento aos rituais de morte passando pelos de baptizado, casamento, entre muitos outros, o objectivo é comunicar. Comunicar a entrada num dado território simbólico, a partilha de marcas identitárias, enfim, comunicar as alterações na dinâmica relacional dos membros do grupo.

9A comunicação é ela própria um ritual, com recurso a artefactos rituais, a roteiros, ao desempenho de papéis e à existência de uma plateia (Rook, 2007). A comunicação e o ritual têm uma dimensão performativa inerente. Não há comunicação sem performatividade, não há ritual sem performatividade. Segundo Tambiah (1985):

O ritual é um sistema culturalmente construído de comunicação simbólica. É constituído de padrões e sequências ordenadas de palavras e actos, muitas vezes expressa em vários media, cujo conteúdo e arranjo caracterizados em diferentes graus de formalidade (convencionalidade), estereotipia (rigidez), condensação (fusão), e redundância (repetição). A acção ritual nos seus traços constitutivos é performativa nestes três sentidos: no acto convencional; no sentido completamente diferente de uma performance que utiliza vários meios pelos quais os participantes experimentam intensamente o evento; e no sentido dos valores indexais − eu derivo este conceito de Peirce − que são vinculados ou inferidos pelos actores durante a performance. (Tambiah, 1985: 128)

10A ideia do ritual como um sistema de comunicação simbólica e a abordagem de uma teoria performativa do ritual (Tambiah, 1979; 1985) serve de lastro à leitura que se propõe de dois fenómenos contemporâneos: os smart/flash mobs (mobilizações políticas e/ou hedonistas) e as redes sociais on-line.

Dimensão Ritual dos smart/flash mobs e das redes sociais on-line

  • 3 Sobre smart/flash mobs consultar a obra de Rheingold, Howard (2003).

11Os smart/flash mobs3 são encontros de pessoas que agem de forma concertada, encenando um comportamento similar, apesar de muitas delas não se conhecerem, na medida em que o encontro é fruto de uma convocatória realizada por SMS (mensagens curtas usando um serviço móvel de comunicação) em cascata. Esses encontros têm lugar em espaços públicos e podem ter finalidades diversas que podem ir da intervenção lúdica à intervenção política. Em todos os casos há uma forte componente de comunicação performativa pelo comportamento concertado dos participantes. Os flash mobs são um tipo de smart mobs onde se sublinha a rapidez com que esse eventos rituais são convocados e também a sua dimensão efémera na paisagem.

Práticas contemporâneas de agregação social estão usando as tecnologias móveis para ações que reúnem muitas pessoas, às vezes multidões, que realizam um ato em conjunto e rapidamente se dispersam. Essas práticas podem, ter finalidades artísticas, como uma performance, ou ter um objetivo mais engajado, de cunho político-ativista. Esse conjunto de práticas tem sido denominado de smart mobs. Trata-se simplesmente do uso de tecnologias móveis para formar multidões ou massas com objectivo de ação no espaço público das cidades. As primeiras, de carácter hedonista, são as flash mobs, mobilizações instantâneas com objetivo de enxamear (swarm) para um lugar e rapidamente se dispersar, criando um efeito de estupefação no público. As segundas, ativistas, têm por objetivo mobilizar multidões com fins de protesto político em praça pública. (Lemos, 2004: 14)

12As imagens que se seguem de alguns smart/flash mobs são ilustrativas das similitudes do comportamento inerentes a estes eventos rituais:

  • 4 A primeira imagem trata-se de: Hundreds of people met up as a smart mob in the lobby of the Westin (...)

Smart Mobs4

Smart Mobs4

13No que diz respeito às redes sociais on-line assiste-se igualmente a um processo de agregação, mas em que há uma dimensão de menor efemeridade, em que a agregação tende a perdurar no tempo. O crescimento a que se assiste das redes sociais on-line genéricas (por exemplo o Facebook, criado em 2004 e actualmente, em Novembro de 2010, com mais de 500 milhões de membros5), ou mesmo em redes dedicadas a grupos específicos, como é o caso da rede social on-line para membros da comunidade científica Academia.edu,6 que passou de 39 000 membros em Maio de 2009 para 153 000 em Abril de 2010 e para 210 000 em Outubro de 2010, ou seja, teve um crescimento aproximado de 9 500 novos membros por mês. Para uma comunidade como a científica este é um crescimento expressivo e que denota a dinâmica de agregação generalizada, em que os sujeitos fazem da agregação on-line um ritual de pertença, de iniciação, de entrada no grupo. Grupo este que deixa de estar confinado às coordenadas espaciogeográficas e passa a estar definido por outros elementos, como a afinidade de interesses de investigação. Isso significa que a arena “do que se pensa” e do “com quem se pensa” passa a estar redefinida, bem como a plateia da performance de comunicação ritual.

14Trata-se de analisar a dimensão performativa, ritual, de novos contextos de comunicação proporcionados pelos social media, pelos meios de comunicação que assumem existência pela dinâmica colaborativa e cooperativa, de rede, entre os utilizadores dos serviços. Não há rede social on-line sem a colaboração interactuante entre os actores dessas redes, como não haverá smart ou flash mobs sem a cooperação entre os actores que geram essa epifania mundana urbana. Ritual e performatividade, comunicação e ritual, rituais de interacção potenciados pela interacção mediada pelas tecnologias da comunicação.

15Neste contexto o carácter ubíquo social do rito deve ser sublinhado:

O rito é um fenómeno universal que não possui formas inalteráveis ao longo dos tempos e não é um exclusivo da religião nem das sociedades tradicionais: ele está também presente nas mais evoluídas tecnicamente como em muitos países da Europa, EUA e Japão. (Voyé apud Vilaça, 2007: 57 spud Vilaçã ).

O ritual é um comportamento padronizado adequado a certos momentos e extensível às várias áreas da vida social. Basta lembrar os “rituais de interacção” de Goffman para ver o quanto eles estão impregnados nas pequenas coisas da vida quotidiana. As sociedades encontram-se efectivamente estruturadas e organizadas em função de rituais na sua maioria seculares mas também religiosos e mistos, isto é, combinando ingredientes dos dois domínios. (Vilaça, 2007: 57)

16Os rituais podem ser de natureza secular ou de natureza religiosa (Durkheim, 2003), enquanto os primeiros se focam nas relações sociais (civis, militares, éticas, festivas, académicas, familiares, amorosas), os religiosos focam-se na relação com o transcendente. Têm em comum uma conexão com o invisível e o indizível, com a relação, que a dimensão performativa do ritual consegue materializar e que se encontra nos fenómenos comunicacionais cuja matriz é a interacção e agregação social, potenciada pela comunicação mediada pela Internet e/ou pelos serviços móveis de comunicação. Na dimensão performativa o carácter de repetição do ritual assume um papel central:

Os rituais, executados repetidamente, conhecidos ou identificados pelas pessoas, concedem uma certa segurança. Pela familiaridade com a(s) sequência(s) ritual(is), sabemos o que vai acontecer, celebramos nossa solidariedade, partilhamos sentimentos, enfim, temos uma sensação de coesão social. […] através da repetição e da formalidade, elaboradas e determinadas pelos grupos sociais, os rituais demonstram a ordem e a promessa de continuidade destes mesmos grupos. (Rodolpho, 2004: 139-140)

17Esta dimensão de repetição está presente na encenação ritual da relação no contexto das redes sociais on-line, dos smart/flash mobs e dos social media, enquanto geradores de novos contextos de ritualização, que criam um novo contorno empírico. É como se de uma nova grande aldeia mestiça se tratasse, na qual “Os participantes usam locais, compreensões herdadas e experiências, tanto colectivas como pessoais, para criar novos eventos e projectarem os seus eus numa antecipação do futuro” (Senft e Baso, 2009: 1).

18A comunicação realizada no contexto das redes sociais on-line, dos smart/flash mobs e os social media, fornece ao sujeito uma linguagem, na qual pode exprimir estados não-formulados, exercendo um efeito de catarse, de reorganização do seu estado psico-fisiológico de relacionamento. Este ritual de partilha encenada tem uma eficácia ecossistémica identitária que vincula o sujeito a uma espaço-tempo-linguagem.

19Como sistematiza Rook (2007: 84), a experiência ritual depende de quatro componentes tangíveis: 1) Artefactos rituais; 2) Roteiro do ritual; 3) Representação do(s) papel(eis) do ritual e 4) Plateia do ritual.

20Assumindo os rituais como representações dramáticas poder-se-á analisar o conceito de comunicação nas redes sociais on-line em que as fotos, informações do perfil e os “amigos” associados assumem o papel de artefactos rituais. Estes artefactos no contexto ritualístico comunicam mensagens simbólicas específicas que se integram no significado da experiência no seu todo (Rook, 2007: 84). Também ao analisar-se os smart/flash mobs se constatará a existência de artefactos rituais, de objectos que o grupo assume como marcas simbólicas de identidade do grupo efémero, que o distingue das restantes pessoas que ocupam o espaço público onde o evento ritual se realiza, traçando a fronteira entre os sujeitos envolvidos na performance ritual e a sua plateia.

21O roteiro do ritual orienta o uso dos diversos artefactos rituais – “um roteiro ritual prescreve um paradigma de consumo que pode incluir uso extensivo ou relativamente limitado de produtos. O roteiro identifica não só os artefactos a serem usados, mas também sua sequência comportamental e quem deve usá-los.” (Rook, 2007: 84). Nos smart/flash mobs o roteiro ritual é uma componente crucial, na medida em que o evento só se verifica se os sujeitos aderentes manifestarem um comportamento dramatúrgico previamente acordado, como elemento estruturante daquela actividade. Nas redes sociais on-line este roteiro de interacção ritual não é tão padronizado, mas existem comportamentos reveladores da sua existência. Por um lado, o comportamento de associar “amigos” como um desempenho do ritual performativo do estar na rede; por outro lado, o roteiro de actualização do eu, do perfil, ou seja, o eu enquanto uma projecção performativa do ritual de actualização do perfil na rede social. Esta situação é usada como arquétipo na publicidade em que um casal se encontra na cerimónia de matrimónio e no momento em que o padre está a selar a união, o noivo interrompe a cerimónia e a partir do seu telemóvel actualiza o seu perfil no Facebook, alterando o seu estado civil.

22No roteiro ritual os sujeitos desempenham papéis rituais; contudo, o papel ritual desempenhado pode estar clara ou apenas vagamente roteirizado. No segundo caso o sujeito possui um elevado grau de liberdade no desempenho do seu papel ritual – “A representação de um papel por alguém pode ser extensa, limitada ou inexistente. Também pode ser passiva ou ativa.” (Rook, 2007:84). Enquanto nos smart/flash mobs o papel ritual é altamente roteirizado, mas redes sociais on-line o papel ritual é mais flexível, embora existam roteiros e papéis que fazem parte da dimensão performativa ritual de pertença à rede social. No caso de não se desempenharem esses papéis, a presença na rede social é uma presença sem espessura ontológica no seio da mesma, isto é, o sujeito tem uma presença anémica que não lhe permite entrar verdadeiramente na dinâmica de comunicação ritual típica daquele espaço simbólico.

23Deve-se ainda considerar que um ritual muitas vezes tem uma plateia maior do que a dos indivíduos envolvidos no próprio ritual. Se no caso das redes sociais on-line a plateia em parte coincide com os sujeitos envolvidos, por outro, verifica-se que há uma tendência para que as empresas e os empregadores procurem obter informação sobre os eventuais contratados através da análise dos seus perfis na rede sociais on-line e do seu comportamento ritual nesses espaços simbólicos. No que respeita ao fenómeno dos smart/flash mobs verifica-se claramente a existência de uma plateia exterior ao grupo, dado que faz parte da dinâmica do processo do evento ritual o facto de ser realizado em espaços públicos de confluência na malha urbana, como praças ou estações de transportes públicos. Os smart/flash mobs enquanto eventos rituais existem em si, mas quanto maior for a sua plateia externa, maior a sua intensidade de comunicação ritual entre os membros dessa experiência.

24No que respeita à identificação das fontes primárias de comportamento rituais e tipologia do comportamento ritual, Lévy (apud Rook, 2007: 84-85) apresenta cinco fontes: 1. biologia humana; 2. metas e emoções individuais; 3. aprendizagem em grupo; 4. valores culturais e 5. crenças cosmológicas. Estas por sua vez enquadram-se em determinados tipos de ritual: animal (fonte: biologia, exemplo: acasalamento); pessoal (fonte: metas e emoções individuais, exemplo: cuidados pessoais); cívico, pequeno grupo, familiar (fonte: aprendizagem grupal, exemplo: eleições, almoços de trabalho, negociações empresariais, festas de aniversário); ritos de passagem, cultural (fonte: valores culturais, exemplo: casamento) e religioso, mágico, estético (fonte: cosmologia, exemplo missa, jogos de azar, artes cénicas).

25Fazendo o exercício de análise das redes sociais e dos smart/flash mobs à luz desta tipologia poder-se-ão identificar duas fontes primárias principais: as metas e emoções individuais e a aprendizagem grupal. Isto porque as realidades comunicacionais em análise, enquanto eventos rituais, vivem dessa dupla dinâmica. Por um lado esses rituais são do grupo e para o grupo e, por outro lado, são forma de os indivíduos expressarem a sua individualidade, cuidando de si, ou seja, cuidando do seu perfil como se cuida de algo vivente, mas dependente, no fundo cuidando do artefacto ritual principal.

26Na definição heurística e não-absoluta de ritual proposta por Tambiah (1979), este apresenta três características: é um acontecimento distinto do quotidiano; trata-se de uma performance colectiva e os acontecimentos possuem uma ordenação que os estrutura (Peirano, 2000: 20).

27Tal como Tambiah estudou os riots e a sua dimensão ritual, será interessante estudar os smart/flash mobs como manifestações rituais da contemporaneidade. Os smart/flash mobs surgem como uma quase epifania no quotidiano. São uma erupção performativa no quotidiano, onde sujeitos celebram a sua associação, em nome de algo que os supera e fazem-no com uma ordenação que estrutura o fenómeno, permitindo a sua génese e a sua actuação ritual.

28Tal como os riots, os smart/flash mobs “[os riots] embora aparentemente espontâneos, irracionais e caóticos, quando analisados revelam feições antecipadas, programadas, duração determinada, traços e fases recorrentes.” (Peirano, 2000: 20). Tal como os riots, também os smart/flash mobs ocorrem em contextos e momentos impossíveis de antecipar totalmente, logo, a ambos existe imponderabilidade e um certo acaso. Tal como sublinha Peirano (2000: 21), não se trata de procurar a causalidade destes eventos, mas de os interpretar, de compreender como se tornam em eventos, irrompendo do quotidiano e, para usar a expressão weberiana, de se tornarem em “indivíduos históricos”.

29A suspensão do tempo na acção-ritual – uma das características da acção nas redes sociais on-line e em fenómenos delas derivados, como os smart/flash mobs – é a suspensão do “tempo profano” do tempo quotidiano, para abrir espaço para um tempo intemporal, o do espaço virtual, no qual o sujeito se suspende da sua condição espaciotemporal, da sua condição mundana de enraizamento geográfico. Na rede social on-line o sujeito entra num espaço simbólico, num espaço outro. Neste espaço outro verifica-se uma ânsia voraz pela associação de novos elementos, de novos sujeitos a si, como se de um encontro orgíaco se tratasse – uma dimensão ritual de comportamento de “consumo” de outros, de “amigos”, como um ritual de prestígio e reconhecimento. Os encontros on-line e os encontro convocados a partir de sistemas de comunicação móvel enquanto eventos rituais têm vindo a assumir um significado cada vez mais relevante na vida dos indivíduos, assumindo-se também neste caso o ritual como um comportamento especialmente integrador. Este carácter integrador é de especial relevo na interpretação do crescimento exponencial das redes sociais on-line.

Da Colaboração Ritual

Considerando o ritual como um fenómeno especial da sociedade, que nos aponta e revela representações e valores de uma sociedade, mas o ritual expande, ilumina e ressalta o que já é comum a um determinado grupo. Como venho enfatizando, ao invés de nos fixarmos nos critérios (ocidentais) de racionalidade, procuraremos seguir critérios de criatividade e eficácia. Rituais são bons para transmitir valores e conhecimento e também próprios para resolver conflitos e reproduzir as relações sociais. (Peirano, 2003: 10)

30Na sociedade da comunicação generalizada em que serviços designados por Web 2.0 ou social media se baseiam na colaboração dos utilizadores e em que o utilizador é, simultaneamente, produtor de conteúdos e elemento dinamizador dos serviços, fica a questão se o ritual de agregação de utilizadores é verdadeiramente gerador de comunicação entre essas pessoas. Ou se, por detrás de uma aparente compulsão para a conexão e agregação entre utilizadores, gera o vazio. As novas tribos, para usar a expressão de Michel Maffesoli (2000), agregam-se e encontram-se num comportamento ritual, onde a performance do encontro tem um valor superlativo face à comunicação?

31Face à efervescência e crescimento exponencial em torno dos serviços de comunicação, com especial ênfase nos serviços móveis de comunicação e com agregação baseada na comunicação georreferenciada, fica em aberto o desafio de continuar a olhar o fenómeno pelo prisma do ritual, nomeadamente enriquecendo a leitura com as questões vinculadas à emoção – “A participação num ritual dá ao indivíduo um tipo especial de energia, que vou denominar energia emocional.” (Collins, 2004: 38) – serão os rituais de interacção on-line nas redes sociais e nos serviços de agregação e partilha entre utilizadores potenciadores da energia emocional?

Topo da página

Bibliografia

Basso, Ellen B.; Senft, Gunter (2009), “Introduction”, in Gunter Senft e Ellen B. Baso (orgs.), Ritual Communication. New York: Berg, 1-19.

Browne, Ray B. (1980), “Ritual One”, in R. B. Browne (org.), Rituals and Ceremonies in Popular Culture. Bowling Green, OH: Bowling Green University Popular Press, 1-18.

Cabral, João de Pina (1998), “Redes informáticas – espaços, tempos, hegemonias”, Análise Social, XXXIII(148), 861-870.

Collins, Randall (2004), Interaction Ritual Chains. New Jersey: Princeton University Press.

Costa, Sérgio (2005), “Amores fáceis – Romantismo e consumo na modernidade tardia”, Novos Estudos, 73, 111-124.

Durkheim, Émile (2003), As formas elementares da vida religiosa, 3.ª ed. São Paulo: Martins Fontes [1ª ed.: 1912].

Goffman, Erving (2005), Interaction Ritual – Essays in Face-to-Face Behavior (with a new introduction by Joel Best). New Jersey: Transaction Publishers [1ª ed.: 1967].

Lemos, André (2004), “Cibercultura e mobilidade: a era da conexão”, Razão y Palabra, 41, 1-22.

Maffesoli, Michel (2000), Le temps des tribus - le déclin de l'individualisme dans les sociétés postmodernes, 3ª ed. Paris : Table Ronde.

Peirano, Mariza G. S. (2000), “A análise antropológica de rituais”, Série Antropologia. Brasília: Departamento de Antropologia-Universidade de Brasília. Consultado em 25/02/10, http://vsites.unb.br/ics/dan/Serie270empdf.pdf.

Peirano, Mariza G. S. (2003), Rituais – ontem e hoje. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Primo, Alex (2003), Interacção mediada por computador: a comunicação e a educação à distância segundo uma perspectiva sistêmico-relacional. Tese de Doutoramento, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação, em Março de 2003, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Rheingold, Howard (2003), Smart Mobs - The Next Social Revolution. New York: The Perseus Books Group.

Rodolpho, Adriane Luisa (2004), “Rituais, ritos de passagem e de iniciação: uma revisão da bibliografia antropológica”, Estudos Teológicos, 44(2), 138-146.

Rook, Dennis W. (2007), “Dimensão ritual do comportamento de consumo”, ERA: Revista de Administração de Empresas, 47(1), 81-98.

Rothenbuhler, Eric W. (1998), Ritual Communication – From Everday Conversation to Mediated Ceremony. London: Sage Publications.

Senft, Gunter; Baso, Ellen B. (orgs.) (2009), Ritual Communication. New York: Berg.

Tambiah, S. J. (1985), Culture, Thought, and Social Action. An Anthropological Perspective. Cambridge, Mass: Harvard University Press.

Tambiah, S. J. (1979), “A Performative Approach to Ritual”, Proceedings of the British Academy, London, LXV(65), 113-169.

Vilaça, Helena (2007), “Recomposição dos rituais contemporâneos: a peregrinação”, Sociologia, 7, 55-67. Consultado em 25/02/10, http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/5507.pdf.

Topo da página

Notas

1 Marc Prensky (http://www.marcprensky.com/) cunhou a distinção entre digital natives e digital immigrants para sublinhar a diferença entre as pessoas que desde muito novas, desde sempre, cresceram e interagiram com ambientes tecnologicamente ricos e os que foram confrontados com a necessidade de se adaptarem ao uso das tecnologias de informação e comunicação.

2 No caso das citações que foram objecto de tradução, essa tradução é da responsabilidade da autora do texto.

3 Sobre smart/flash mobs consultar a obra de Rheingold, Howard (2003).

4 A primeira imagem trata-se de: Hundreds of people met up as a smart mob in the lobby of the Westin St. Francis Hotel in San Francisco in August 2003. The members met up in the lobby, pretended to sleep, then left. (http://people.howstuffworks.com/smart-mob2.htm).In: http://static.howstuffworks.com/gif/smart-mob-3.jpg (em 2010-03-26) e a segunda imagem foi obtida em http://news.cnet.com/i/bto/20091004/Mob.jpg, em 2010-03-26.

5 Ver informação estatística sobre o Facebook em http://www.facebook.com/press/info.php?statistics.

6 Ver em: http://www.academia.edu/.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Smart Mobs4
URL http://eces.revues.org/docannexe/image/514/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 124k
Título Smart Mobs
URL http://eces.revues.org/docannexe/image/514/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 75k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Lídia Oliveira, « Sociedade dos fluxos comunicacionais e novos eventos rituais: o caso das redes sociais e dos smart/flash mobs », e-cadernos ces [Online], 08 | 2010, colocado online no dia 01 Junho 2010, consultado a 29 Abril 2017. URL : http://eces.revues.org/514 ; DOI : 10.4000/eces.514

Topo da página

Autor/a

Lídia Oliveira

Professora auxiliar com agregação no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro. As suas investigações centram-se nas problemáticas da Cibercultura. É investigadora no Cetac.media – Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação (http://www.cetacmedia.org/).
lidia@ua.pt

Artigos do/a mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Les cahiers de Revues.org