Navegação – Mapa do site
@cetera
Revisões críticas

Selma Pantoja, Edvaldo A. Bergamo, Ana Cláudia da Silva (orgs.) (2015), África contemporânea em cena. Perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Intermeios, 154 pp.

Fabrice Schurmans

Texto integral

A interdisciplinaridade e o comparatismo, entre desejos e práticas

1Este volume tem origem num colóquio internacional organizado na Universidade de Brasília (2013), “Leituras Cruzadas: O Texto Colonial e a História em Letras. A Pós-Graduação e a Interdisciplinaridade em Cena”. Os organizadores relembram que a principal característica do encontro em questão foi a interdisciplinaridade, caraterística essa que os editores colocam no âmago da obra: “este livro pretende, em suma, fomentar o debate e fornecer subsídios atualizados para o desenvolvimento dos chamados estudos africanos na contemporaneidade, assumindo que a perspetiva inter- e multidisciplinar é a mais apropriada para compreender a diversidade do continente” (p. 11). A obra ambiciona ainda a “divulgação do conhecimento produzido sobre as realidades e culturas africanas” (p. 11).

2Os três primeiros capítulos são dedicados ao sistema de ensino superior em Moçambique, Angola e a uma experiência de articulação dos saberes na Universidade de Brasília (Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares). No caso de Moçambique e Angola, duas constatações sobressaem: o crescimento contínuo do número de estudantes desde a independência e a criação de instituições de ensino superior privadas, muitas vezes de menor qualidade do que as suas congéneres públicas. Neste contexto, vários desafios se colocam ao desenvolvimento/crescimento do ensino universitário em cada país, nomeadamente a necessidade de desenvolver cooperações ao nível regional. Assim, Armindo Ngunga, em “Programas de Pós-graduação em Ciências Sociais e Humanidades na Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique”, defende a articulação entre saberes/conhecimentos (pela criação de cursos de pós-graduação interdisciplinares), assim como a colaboração entre universidades de diferentes países (nomeadamente no desenvolvimento de projetos de investigação).

3Na segunda parte da obra, “Texto colonial e pós-colonialidade”, sobressai uma evidente heterogeneidade. É certo que volumes resultantes deste tipo de evento se pautam frequentemente pela diversidade, mas espera-se, todavia, um certo grau de homogeneidade entre os vários estudos, como se verifica aliás na primeira parte, onde há algo que estabelece uma união entre os vários contributos. Porém, dificilmente se encontram pontos de convergência entre “O comparatismo literário entre os países de Língua Oficial Portuguesa: perspectivas político-culturais e reflexões comunitárias” de Benjamin Abdala Júnior, “O processo de transição para o multipartidarismo em Cabo Verde”, de Leila M. G. Leite Hernandez e “As culturas africanas na encruzilhada dos mundos”, de Selma Pantoja e Estevam Thompson.

4À exceção da segunda contribuição, que foca uma questão particular e delimitada, as duas outras tendem, por vezes, para uma certa generalização. Júnior advoga a necessidade de um comparatismo alternativo ao eurocêntrico, ou seja, um comparatismo construído a partir do Sul – nomeadamente o Sul que fala português e castelhano – capaz de forjar novos instrumentos analíticos. Entre os conceitos emergentes neste campo, o autor cita a Literatura-Mundo (p. 56). Esta noção, que se tem tornado mais atual desde a publicação do famoso “Manifesto para uma Literatura-Mundo” no Le Monde (2007), pode de facto ser heuristicamente estimulante; todavia, por surgir sem contextualização e sem aprofundamento no texto, não se torna visível em que medida e de que forma pode vir a ser útil no paradigma comparatista emergente defendido por Júnior.

5Na área dos estudos pós-coloniais é atualmente consensual a necessidade de procurar modos não eurocêntricos de pensar o comparatismo, e concordar-se-á certamente com a seguinte observação do autor: o eurocentrismo tem-se perpetuado através de uma multiplicidade de referências, de representações, de estratégias, o que torna o pensamento alternativo da alternativa ao mesmo tempo estimulante e complexo. O risco, porém, reside na criação de uma dicotomia entre dois polos: a hegemonia do Ocidente, e, no Ocidente, a hegemonia de um centro branco, cristão e rico, por um lado, e um vasto campo dominado onde cabem todas as lutas pela emancipação. “Não podemos nos esquecer de que na Europa e nos Estados Unidos há numerosas comunidades marginalizadas, como os irlandeses, ciganos, negros, latino-americanos, judeus, muçulmanos, os habitantes das periferias, gays, lésbicas, etc. Foi nesse contexto situacional híbrido e de fricções que apareceram as obras de Frederic Jameson, Edward W. Said, Homi K. Bhabha e Stuart Hall, entre outros” (p. 57). Não se negará a presença de comunidades marginalizadas nos mundos que formam o Ocidente, mas seria necessário diferenciar e contextualizar os exemplos referidos. Senão, vejamos os seguintes exemplos: 1) a situação atual dos irlandeses afasta-se substancialmente da opressão que sofreram em épocas passadas às mãos do vizinho inglês; 2) os negros enfrentam problemas sociais diferenciados nos Estados Unidos e na Europa (e no seio desta última a situação difere bastante entre os vários países que a compõem); 3) a situação dos judeus também é muito complexa: antes de mais, seria necessário estabelecer uma diferença culturalmente significativa entre Asquenazes e Sefarditas; para além disso, é necessário situar as perseguições antissemitas no tempo histórico – se é verdade que o antissemitismo continua a existir por todo o continente europeu, dificilmente encontramos atualmente na Europa ocidental perseguições antissemitas por parte dos Estados como no passado. Ao agregar numa designação homogeneizante as comunidades marginalizadas referidas, Benjamin Abdala Júnior acaba também por tornar menos visíveis as tensões internas às comunidades em questão. Assim, a sociologia crítica recusa falar em “muçulmanos”, pois esta designação converge, pelo menos no discurso, com o modo como parte do espectro político encara e define os cidadãos de fé islâmica, ou seja, como um todo indiferenciado. Em países como a França, a Bélgica e a Alemanha, a suposta comunidade não existe (se existisse, a organização nacional do culto não encontraria tantas dificuldades). O que existe realmente são cidadãos de origem turca, marroquina, argelina… que partilham, ou não, uma religião nas suas diversas variantes e uma relação com a religião que difere segundo as culturas de origem.

6Na terceira contribuição, as próprias autoras admitem as aporias do seu texto na conclusão, a principal sendo o propósito, para que remete o título, de agregar num só texto “as culturas africanas”. O artigo pretende dar conta da riqueza do pensamento teórico oriundo das Áfricas e aponta, através da recensão a textos incontornáveis, vias para um olhar alternativo, nomeadamente sobre a História do continente. Pantoja e Thompson relembram o essencial: foram os próprios colonizadores que, com o seu mapeamento e a sua produção científica, produziram a ideia de um todo chamado África. Investigadores como V. Y. Mudimbe analisaram o que estes discursos significam, como dizem, ou pretendem dizer, a África. Pantoja e Thompson admitem assim as fraquezas e aporias do seu texto: “Como visto, definir com precisão os contornos das culturas africanas é tarefa impensável” (p. 89). Tal propósito só era pensável justamente na mente da epistemologia europeia pronta a generalizar ao nível do continente o que era observado num lugar em particular. Os autores admitem que as noções de negritude, resistência ou ainda nacionalismo devem ser “aprofundadas”. De facto, sem contextualização cultural e histórica, as noções em questão não permitem ao recetor perceber o seu papel fulcral no contexto descrito.

7Na terceira secção, “África em linguagens”, os três primeiros textos incidem sobre as literaturas de Angola, Moçambique e Brasil e o quarto propõe um esboço de história da “Bantuística”. As contribuições de Ana Mafalda Leite e de Edvaldo A. Bergamo escolhem a opção comparatista, tratando-se, no primeiro texto, de um comparatismo no seio do mesmo sistema literário (Moçambique) e, no segundo, de um comparatismo de proximidade linguística (Brasil/Angola). Os dois estudos incidem sobre a prática do romance histórico escrito a partir do Sul, um Sul que repensa assim a História hegemónica a partir de outro lugar. Tal como apontam Leite e Bergamo, reescrever o passado colonial a partir da perspetiva de quem sofreu a violência do sistema e da situação coloniais tem consequências para este género literário, bem como para a própria historiografia. É sabido que o romance histórico contemporâneo pouco tem a ver com o do século xix. Bergamo relembra que, a partir da segunda metade do século xx, o romance histórico reavalia o passado a partir de outros pontos de vista, carnavaliza acontecimentos e pratica a paródia, questiona as narrativas hegemónicas, assim como o discurso histórico. “Ao retratar o passado, essa tipologia romanesca procura explorar os meandros negligenciados ou intencionalmente obscurecidos pela chamada história oficial, de orientação positivista, ou, ainda, intenta proceder à humanização e reavaliação de importantes heróis que o mármore da história parecia haver esculpido em definitivo” (p. 111). Neste contexto, o que importa igualmente é perceber que este tipo de narrativa só faz sentido pela relação que tece com o presente, como sublinha Leite na sua comparação entre Choriro e O outro pé da sereia, pois ambos os romances “pretendem reconstruir uma memória do passado, mais ou menos remoto, na sua articulação com o presente” (p. 95). Neste caso, remetem para as heterogeneidades do contexto social de referência, para a sua diversidade linguística e cultural. Tanto no Brasil como em Moçambique e em Angola, o romance histórico vasculha o passado colonial para desvendar uma situação colonial, ela própria marcada pela ambiguidade, uma certa fluidez, um certo grau de autonomia por parte dos atores representados, como é o caso nos romances estudados por Bergamo, Desmundo e A gloriosa família. Ao encenar personagens de brancos que abandonam a cultura de origem para adotar uma outra, os romances que constituem o corpus de Leite também mostram que “o processo colonial não funcionou apenas numa direção, nem linearmente” (p. 104). De mesmo modo, Bergamo relembra que em Pepetela a situação colonial emergente na Luanda do século xvii é igualmente marcada pela miscigenação, ou seja, o escritor angolano “enfatiza que o processo de assimilação e mestiçagem é o traço irrefreável do processo dialéctico da colonização europeia em território africano” (p. 120).

8O romance histórico pós-colonial oriundo das Áfricas tem procurado questionar as origens de noções tão importantes como nação, Estado ou ainda História, bem como o pensamento eurocêntrico e as consequências das descolonizações, problematizando “o legado do processo de colonização europeia”, como relembra Bergamo (p. 113). Uma obra que tanto destaca a necessidade de estudar as Áfricas, de evidenciar a diversidade e a heterogeneidade das suas culturas e literaturas, quiçá tivesse sido o lugar para comparar não só no seio do mesmo sistema literário ou entre diferentes sistemas literários de língua portuguesa, mas igualmente entre línguas e tradições diferentes. A obra de Emmanuel Dongala (República do Congo), por exemplo, é apenas um entre muitos contrapontos interessantes, nomeadamente no seu romance Le feu des origines, pois ali percebemos o que aproxima na diferença tradições literárias distintas.

9A qualidade dos contributos do volume não resolve a questão de alguma falta de coerência no todo. Para além disso, as expressões do título “África contemporânea” e “perspetivas interdisciplinares” criam certas expectativas que não se cumprem, pois, os vários estudos acabam por remeter para um conjunto muito restrito de países, Angola e Moçambique sobretudo. É inegável que o livro conseguiu mostrar a riqueza e a diversidade do colóquio que lhes está na origem. No entanto, como publicação, seria de esperar que a interdisciplinaridade tivesse fomentado um maior diálogo crítico entre as suas partes e, assim, uma maior coerência no projeto final.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Fabrice Schurmans, « Selma Pantoja, Edvaldo A. Bergamo, Ana Cláudia da Silva (orgs.) (2015), África contemporânea em cena. Perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Intermeios, 154 pp. », e-cadernos ces [Online], 26 | 2016, colocado online no dia 15 Dezembro 2016, consultado a 26 Julho 2017. URL : http://eces.revues.org/2170

Topo da página

Autor/a

Fabrice Schurmans

Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra
Colégio de São Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
fschurmans@ces.uc.pt

Artigos do/a mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Les cahiers de Revues.org