Navegação – Mapa do site
@cetera

Síntese do testemunho da Associação de Deficientes das Forças Armadas

Abel Fortuna

Texto integral

A força justa das vítimas de uma guerra injusta

1O movimento dos Deficientes Militares, que deu origem à criação da Associação de Deficientes das Forças Armadas (ADFA) em 14 de maio de 1974, iniciou-se antes do 25 de Abril e foi fruto da tomada de consciência, por parte dos mesmos, do direito à dignidade, à reabilitação e à participação activa na comunidade.

2A ADFA, ao assumir-se como “A Força Justa das Vítimas de uma Guerra Injusta”, deu à sociedade um sinal inequívoco de que rejeitava a forma como o regime ditatorial do “Estado Novo” tratava as lutas de libertação dos povos de Angola, Moçambique e Guiné, ao encará-las como movimentos subversivos. Desde logo, a ADFA designou por “Guerra Colonial” os acontecimentos ocorridos nos territórios africanos que originaram muitos milhares de mortos e deficientes militares. Por outro lado, também afirmou claramente que os “deficientes militares” eram vítimas dessa mesma guerra e não “heróis”, como o regime do “Estado Novo” tinha procurado rotulá-los, com o objectivo de esconder uma realidade que cada vez se tornava mais trágica, à medida que os anos iam passando.

3Mas a ADFA não só se definiu na sociedade como uma organização inovadora nos princípios e nos valores, como também se organizou com uma rede de serviços de apoio em todo o território nacional, constituída pela sede em Lisboa e doze delegações no Continente e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira. Esta rede desenvolveu uma ação associativa para a prossecução dos seus objectivos, definidos estatutariamente como “a defesa e a promoção dos direitos sociais, económicos, culturais, morais e profissionais dos seus associados”.

4No entanto, apesar de estar consagrado nos seus estatutos que “Esta instituição no respeito pelo primado da dignidade humana, é solidária com toda a pessoa deficiente”, a ADFA não limitou o seu âmbito de intervenção aos deficientes militares. Os deficientes militares não quiseram ser apenas e só “vítimas de uma guerra”, a aguardar que o Estado democrático tomasse medidas no sentido da resolução dos seus problemas. Desde logo afirmaram-se como agentes das mudanças que a Revolução de 25 de Abril exigiu, desenvolvendo ações junto da sociedade e dos poderes, pelo reconhecimento dos seus direitos, pela mudança de mentalidades, pela reabilitação e pela inclusão social. Esta dimensão de “vítima de guerra “ associou-se a princípios pelos quais os deficientes militares passaram a lutar.

5A ADFA estruturou a sua ação com vista à realização dos seus objetivos, intervindo na vertente associativa através da sua rede de serviços de apoio e na da prestação de serviços, criando resposta e estruturas no domínio da reabilitação e reintegração social, de que são exemplos o Centro de Reabilitação Profissional de Gaia (CRPG), o Centro de Actividades Ocupacionais (CAO), a Associação Museu da Guerra Colonial em Vila Nova de Famalicão e os serviços clínicos em Lisboa e no Porto.

6A ADFA é reconhecida como uma organização socialmente útil, inovadora na sua organização associativa e abrangente, uma vez que abriu a sua ação às pessoas com deficiência em geral e faz da inclusão social uma prática, ao abrir algumas das suas estruturas à comunidade. De entre a vasta actividade desenvolvida ao longo dos 40 anos da sua existência, uma das áreas em que se empenhou foi no tratamento de ex-combatentes afetados por perturbação psicológica crónica resultante da exposição a situações traumáticas no teatro de guerra.

7A perturbação psicológica crónica, que compreende o pós-stress traumático de guerra e outras patologias do foro mental, é uma afeção com dimensão sistémica, uma vez que atinge não só o ex-combatente como o seu núcleo familiar, gerando situações de violência e agressividade, isolamento e muitas vezes a destruição desse mesmo núcleo.

8A ADFA tem desenvolvido ações de sensibilização, dificultadas pelo silêncio, a que muitos dos afetados se remetem, com o objetivo de sinalizar os casos com necessidades de tratamento e de prestar apoio sempre que, da severidade da patologia, resultaram danos sociais, materiais e económicos que exigem reparação.

9Para além disso, a ADFA empenhou-se para que o Estado democrático criasse legislação enquadradora e celebrou com o Ministério de Defesa Nacional um protocolo para a divulgação da Rede Nacional de Apoio e tratamento dos ex-combatentes afetados, através da estruturação de duas equipas multidisciplinares, em Lisboa e no Porto.

10A ADFA não confina a sua ação ao território nacional, sendo um membro ativo da Federação Mundial dos Antigos Combatentes (FMAC) em representação de Portugal. Tem ainda relacionamento com organizações de combatentes e deficientes militares dos países de língua oficial portuguesa, com quem mantém uma cooperação estreita de intercâmbio. Neste domínio, tem sido exemplar a sua postura no relacionamento com essas organizações, cujos membros foram outrora considerados “inimigos”, recorrendo ao jargão militar, mas com quem hoje tem estreitos laços de amizade.

11Como reconhecimento do trabalho desenvolvido pela ADFA, foi-lhe conferido os títulos de Membro Honorário da Ordem do Mérito (1996) e Membro Honorário da Ordem da Liberdade (2008).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Abel Fortuna, « Síntese do testemunho da Associação de Deficientes das Forças Armadas  », e-cadernos ces [Online], 25 | 2016, colocado online no dia 15 Junho 2016, consultado a 27 Março 2017. URL : http://eces.revues.org/2092

Topo da página

Autor/a

Abel Fortuna

Presidente da Delegação do Porto

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Les cahiers de Revues.org