Navegação – Mapa do site
@cetera

Síntese do testemunho da Union Fédérale des Associations Françaises d’Anciens Combattants, des Victimes de Guerre et des Jeunesses de L’Union Fédérale (União Federal das Associações Francesas de Antigos Combatentes, Vítimas de Guerra e das Juventudes da União Federal)

Jacques Barthe

Texto integral

1A União Federal das Associações Francesas de Antigos Combatentes, Vítimas de Guerra e das Juventudes da União Federal (UF, Union Fédérale des Associations Françaises d'Anciens Combattants, Victimes de Guerre et des Jeunesses de l’Union Fédérale), tem origem na União dos Mutilados e Feridos de Guerra (Union des Mutilés et Blessés de Guerre), que foi criada pelo prémio Nobel da Paz, René Cassin. A União teve sempre por prioridade ajudar os mutilados, os feridos, os antigos combatentes, tendo-se associado a estes as vítimas civis paralelas (nomeadamente viúvas e órfãos). É, todavia, necessário precisar que nunca considerou os antigos combatentes em si como “vítimas”, mas como homens e mulheres que cumpriram um dever sagrado que lhes confere direitos, segundo a fórmula de Clemenceau, direitos esses que se devem respeitar.

2A UF cedo se apercebeu que, a somar às feridas “físicas”, facilmente identificáveis e enquadradas pelo Código de Pensões Militares de Invalidez (Code des Pensions Militaires d'Invalidité), existiam nos antigos combatentes feridas “psíquicas”, por vezes de uma extrema gravidade, que nunca tinham sido objeto de estudo aprofundado, de classificação, de tomada em consideração, de indemnização a título de invalidez permanente devido às sequelas da guerra ou, mesmo, de cuidados apropriados.

3No decurso destas últimas décadas, psiquiatras civis e militares, especialistas de medicina interna, a própria Admistração Pública — que havia criado uma Comissão de Estudos de Traumatimos Psíquicos de Guerra e, mais recentemente, um Observatório de Vigilância da Saúde dos Veteranos — e as associações de ex-combatentes (a UF, os Prisioneiros de Guerra, a Associação Republicana de Antigos Combatentes, etc.) têm vindo a trabalhar esta problemática.

4A União Federal, tirando partido da experiência adquirida por académicos franceses (da Universidade René Descartes, Paris, e da Universidade Pierre Mendès-France, Grenoble) nesse domínio, decidiu estabelecer uma parceria com esses académicos para um estudo analítico sobre as consequências psíquicas nos ex-combatentes da Guerra da Algéria. Esta parceria estendeu-se, num segundo momento, ao projeto de investigação intitulado TRAUMA, sediado no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. De facto, ambos os países, Portugal e França, conheceram em tempos não muito distantes idênticas guerras de independência de países africanos, nas quais participaram combatentes recrutados através do serviço militar obrigatório, a par dos militares com contrato e de carreira.

5Os trabalhos realizados por Emmanuel Monfort e Gilles Tréhel no seio da UF tiveram por objetivo, entre outros aspetos, determinar de que modo e com recurso a que factores socioculturais alguns antigos combatentes traumatizados conseguiram gerir os seus problemas e viver de modo mais ou menos normal. Foram avaliados diversos parâmetros (ao nível da medicina, psiquiatria, psicologia, religião, do lazer, da profissão, do álcool, etc.), tendo-se verificado que nenhum deles se revelou estatisticamente significativo. A única exceção encontrada foi ao nível da participação ativa em diferentes manifestações em memória dos combatentes mortos pelo seu país, promovidas pela UF e com o apoio dos poderes públicos. Muitas dessas atividades públicas assentavam no culto dos lugares de memória. Especial destaque foi dado aos porta-bandeiras das Associações de Antigos Combatentes. Tal revela claramente que os objetivos das Associações de Antigos Combatentes, que consiste em ajudar os ex-combatentes e em curar as suas feridas, foi plenamente atingido.

6As Associações de Antigos Combatentes aproximam-se, desta forma, de muitos dos resultados que constam de outros estudos que vão no sentido de revelar determinadas ações intuitivas e naturais que ocorrem na sequência de dramas coletivos ou individuais: marchas brancas e silenciosas, flores, sepulturas, e ações conjuntas com outras Associações de Vítimas ou de familiares de vítimas…

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Jacques Barthe, « Síntese do testemunho da Union Fédérale des Associations Françaises d’Anciens Combattants, des Victimes de Guerre et des Jeunesses de L’Union Fédérale (União Federal das Associações Francesas de Antigos Combatentes, Vítimas de Guerra e das Juventudes da União Federal) », e-cadernos ces [Online], 25 | 2016, colocado online no dia 15 Junho 2016, consultado a 18 Novembro 2017. URL : http://eces.revues.org/2090

Topo da página

Autor/a

Jacques Barthe

Vice-Presidente

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Les cahiers de Revues.org