Navegación – Mapa del sitio

Intervenções. Vozes privadas em espaços públicos - até 28 de abril 2017

Organização: Isabel Caldeira e Maria José Canelo

Prazo para envio dos artigos: 28 de abril de 2017

Palavras-chave: público/privado, vigilância, liberdade, cidadania, legitimidade

Procuramos investigar as reconfigurações dos conceitos de ‘público’ e ‘privado’ em discursos atuais, especialmente na sua relação com noções de nacionalidade, cidadania e liberdade. Na verdade, enquanto termos ideologicamente marcados, as noções de público e privado têm estado sempre na agenda, assumindo significados diferentes em contextos diversos. A distinção entre o privado/doméstico e o público foi crucial no afastamento das mulheres da cidadania plena e ainda vigora em algumas partes do mundo. Mais recentemente, a reorganização do poder, após o 11 de Setembro, demonstrou não só como acontecimentos globais podem ter impacto sobre as vidas privadas, mas também como a tensão entre o privado e o público avançou para novos patamares. As medidas de vigilância dos Estados encontram justificação no interesse dos sujeitos privados, mas acabam por restringir as liberdades individuais e os direitos constitucionais, incluindo o direito à privacidade. Esta situação exige um reposicionamento crítico sobre as noções de público e de privado.

O nosso ponto de partida, para além das reflexões de Hannah Arendt sobre as esferas pública e privada (1958) ou a definição habermasiana de esfera pública (1962), é um conceito de público definido de forma genérica como o todo social, ou um discurso dirigido a um número indefinido de pessoas. Por oposição, o privado define o afastamento da vida pública, associado à liberdade individual e à intimidade doméstica (Giddens, 1992; Inness, 1996). Todavia, esta distinção raras vezes se revela estanque, como demonstrado, por exemplo, quando o Movimento das Mulheres reclamou o privado/pessoal como público/político (Hanish 1970). Devemos ainda reportar-nos a Richard Sennett, que assinalou o declínio do homem público e a necesidade de uma nova ligação à comunidade; ao conceito de “esfera pública íntima”, de Lauren Berlant (1997), ou ainda à noção de “cidadania íntima”, de Ken Plummer (2003), apenas para se ter uma ideia do quão vivo e intenso tem sido o debate nesta área.

As políticas de segurança no pós-11 de Setembro, para começar; a era pós-Snowden, a seguir, e as interferências recentes da Rússia nas eleições dos Estados Unidos evidenciam os perigos do acesso livre à informação digital e trazem para a ribalta questões prementes de legitimidade. Os perigos e ameaças inerentes ao mundo das tecnologias de rede, os escândalos da WikiLeaks, ou a revelação da existência de programas de espionagem doméstica fizeram-nos tomar consciência da fragilidade do equilíbrio entre a privacidade pessoal e a autoridade pública. Por outro lado, a denúncia de situações de violência privada/doméstica ou de opressão, através da sua exposição no espaço público (documentários, fotojornalismo, fotografia, os média), a mobilização de cidadãos por todo o mundo, através das redes sociais, a invasão e ocupação do espaço público por cidadãos em protesto, os movimentos migratórios de regiões póscoloniais e póscapitalistas (e a rutura do espaço social que eles provocam), o/as artistas que exibem os seus corpos privados em espaços públicos ou que ocupam espaços públicos nas suas intervenções artísticas, ou o movimento recente pelo acesso público ao conhecimento científico, são alguns dos muitos e diversos casos que complicam a nossa percepção do direito à privacidade, dos limites do policiamento público e das possibilidades criativas no que diz respeito à ideia de espaço.

Espera-se, assim, que os artigos deste número contribuam para uma reflexão oportuna e necessária acerca da reconfiguração da dicotomia público/privado. Apresentamos um convite a textos de áreas disciplinares diversas, que usem novas abordagens para tratar de forma inovadora questões como: onde se situa, hoje em dia, a divisão entre o público e o privado – entre o Estado e o indivíduo? Ou o mercado e o indivíduo? E quem a traça? Que espaços não são públicos? Que vozes são, ainda, privadas? Existe algo como a privacidade de espaços públicos? É sempre negativo que espaços privados se tornem públicos? É desejável que os espaços públicos sejam apropriados por causas privadas? Em que medida o papel do intelectual público mudou, na nossa época tendencialmente hiperpública? Temos o direito de proteger a nossa subjetividade, imagem ou sentimentos privados, enquanto direito à autoproteção, ou a privacidade já não se justifica enquanto necessidade, na atual cultural de exibição? Qual é o papel dos média na forma como pensamos os espaços públicos/privados? Que impacto têm estes temas no desenvolvimento presente da noção do ‘eu’? Que impacto têm tido na própria noção de corpo? E como podem as intervenções ser consideradas atos de performatividade? Até que ponto estas noções têm sido remodeladas através do diálogo com outros conceitos fulcrais, como a segurança, o espaço, a mobilidade, a diáspora, etc.?

Neste sentido, perguntamos: ainda é relevante manter, atualmente, uma distinção que sempre foi tão ilusória, ou seria preferível concentrarmo-nos na sua rearticulação, ou na redefinição de cada uma das categorias? Que tipo de impacto teve o ofuscamento das fronteiras entre o público e o privado na literatura, talvez uma das práticas que, tradicionalmente, elaborou de forma mais eficaz as contradições desta dicotomia? Tendo em conta a necessária transgressão desta dicotomia por parte da literatura, como se refletiram as mudanças recentes no entendimento do público/privado em questões de estética literária, forma, tema? Considerando também o modo como as duas noções têm sido tradicionalmente associadas ao género, que reflexo assumem essas mudanças em termos das representações de género na ficção contemporânea, na poesia, no drama? E de que modo têm outras áreas académicas abordado este problema?

A e-cadernos ces é uma publicação online, com acesso livre, que se baseia num sistema de avaliação por pares e editada pelo Centro de Estudos Sociais. Integra atualmente as seguintes bases: CAPES, EBSCO e Latindex. Para mais informações sobre a publicação consulte: http://eces.revues.org/.

Todos os textos devem ser submetidos na sua versão completa, em língua portuguesa, inglesa, francesa ou castelhana. Podem ter até 60 mil caracteres no máximo (com espaços), incluindo notas e referências bibliográficas. Para a secção final @cetera, podem ser apresentados outros textos (até 35 mil caracteres), entrevistas e debates (até 25 mil caracteres) ou recensões críticas inéditas (máximo 5 mil caracteres).

As normas detalhadas para submissão dos textos estão disponíveis em http://eces.revues.org/804. As mensagens devem ser enviadas para e-cadernos@ces.uc.pt e indicar explicitamente que se referem ao número temático em questão – “Intervenções. Vozes Privadas em Espaços Públicos”.

Todos os contributos estarão sujeitos a um processo de arbitragem científica.

  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Les cahiers de Revues.org