Navegação – Mapa do site

Vítimas, Estado e processos institucionais: Uma visão multidisciplinar – até 31 de outubro de 2015

Organização: José Manuel Mendes, Pedro Araújo e Ângela Maia

Prazo para envio dos artigos: 31 de outubro de 2015

Entre 2011 e 2014, decorreu no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra um projeto de investigação coordenado por José Manuel Mendes intitulado “TRAUMA - Vítimas, Trauma e Processos Institucionais: Para além de uma ética da vítima”.

A questão central desta pesquisa foi a de saber que alterações societais ocorreram para que os discursos sobre as vítimas e os dispositivos de apoio às vítimas se tornassem, hoje, formas legitimadas de acesso ao espaço público e de reclamação de direitos. Questão que, abordando a face visível de um fenómeno em expansão, implicou igualmente que se atentasse ao modo como gerem a sua condição de vítimas e reclamam os seus direitos as pessoas que, apesar de inseridas em comunidades de trauma, se situam fora dos dispositivos de apoio convencionais.

A premissa de partida era a de que a compreensão das razões que subjazem à participação nas formas de associação convencionais, daquilo que as torna sociologicamente possíveis e individualmente necessárias, é tão importante quanto o seu reverso, ou seja, as razões que subjazem à possibilidade de recorrer a formas alternativas de gestão do trauma existentes nas comunidades. Para além dos discursos e dos dispositivos construídos e propostos pelas associações de vítimas e consolidados numa particular “ética da vítima”, que outras lógicas de subjetivação emergem e quais os seus pressupostos materiais, simbólicos e políticos?

Partiu-se de uma perspetiva comparativa que, analisando as diferenças emergentes, procurou perceber nos diferentes casos analisados em França e em Portugal como os Estados regulam e respondem aos desafios colocados pelos acidentes e catástrofes e pela presença no espaço público das vítimas e dos seus familiares.

O contacto com as associações de vítimas dos dois países permitiu perceber, por um lado, que, mais relevante do que construir uma genealogia do conceito de vítima, o que era fecundo teórica e epistemologicamente era perceber como os diferentes atores presentes neste campo, do Estado, às empresas, às vítimas, seus familiares e representantes procuravam circunscrever ou normalizar o impacto da vitimização nas políticas de cidadania, ou no caso das vítimas e suas associações, como a condição de vítima era potenciadora da configuração de uma lógica de cidadania e de acesso a direitos.

Por outro lado, permitiu ainda perceber que, para além dos mecanismos convencionais de análise dos processos de vitimização, interessa igualmente perceber como uma fenomenologia do desastre, como a questão do sofrimento, do corpo, possibilita a análise da produção dos laços sociais e dos coletivos, muitas vezes na luta e na reivindicação, mas também no silêncio, no recolhimento ou na rememoração.

Esta edição da e-cadernos ces está aberta a contributos que analisem problemas relacionados com o tema das vítimas, do trauma, do coping, da rememoração, das associações de vítimas, das políticas públicas e dos dispositivos legais sobre vítimas.

A e-cadernos ces é uma publicação online, com acesso livre, que se baseia num sistema de avaliação por pares e editada pelo Centro de Estudos Sociais. Integra atualmente as seguintes bases: CAPES, EBSCO e Latindex. Para mais informações sobre a publicação consulte: http://eces.revues.org/

Todos os textos devem ser submetidos na sua versão completa, em língua portuguesa, inglesa, francesa ou castelhana. Podem ter até 60 mil caracteres no máximo (com espaços), incluindo notas e referências bibliográficas. Para a secção final @cetera, podem ser apresentados outros textos (até 35 mil caracteres), entrevistas e debates (até 25 mil caracteres) ou recensões críticas inéditas (máximo 5 mil caracteres).

As normas detalhadas para submissão dos textos estão disponíveis em http://eces.revues.org/804. As mensagens devem ser enviadas para e-cadernos@ces.uc.pt e indicar explicitamente que se referem ao número temático em questão – “Vítimas, Estado e processos institucionais: Uma visão multidisciplinar”.

Todos os contributos estarão sujeitos a um processo de arbitragem científica.

  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Les cahiers de Revues.org