Navegação – Mapa do site
I - Seminário “O parto não vigiado pela autoridade da ciência: entre o encerramento de maternidades e o parto domiciliar em Portugal”

Intervenção 5

Rita Correia

Texto integral

1Começo por dizer que as questões do parto são muito complexas e será muito difícil sairmos daqui com uma resposta concreta sobre a questão “onde, como e a quem compete fazer nascer?”

2Temos que perceber que, do ponto de vista simbólico ou social, o parto está associado ao nascimento e à morte e que, portanto, são coisas que mexem profundamente com as pessoas, com as sociedades, com todos os intervenientes, desde a família ao médico. É muito mais fácil, hoje, salvar um grande número de vidas, mas é impossível salvar todas as vidas! Agora, não serem salvas por não se utilizar a tecnologia adequada ou disponível, certamente é negativo e ninguém defende isso. Quanto ao risco zero associado ao parto e essa visão hermética de que no hospital vai correr tudo bem porque está tudo à disposição, sobre isso queria adiantar que não é assim tão linear. E qual é o cenário hoje em dia?

3A medicina, como o Doutor Strecht Monteiro referiu, sofreu várias evoluções nos últimos 40 anos. No último século a medicina transformou-se radicalmente, desde a tecnologia que tem sido posta à sua disposição, até ao papel do próprio médico. Sou muito solidária, de certa forma, com os médicos, apesar de muitas pessoas pensarem que assim não é. Há quem pense que a questão da Associação Portuguesa pela Humanização do Parto (HUMPAR), ou a questão dos partos em casa é uma luta contra ou a favor, embora assim não seja.

4Hoje em dia há uma pressão muito grande, a nível criminal, a nível judicial em relação aos procedimentos médicos. E aquilo a que assistimos, principalmente na obstetrícia (e não sou eu que o digo, são vários especialistas), é a uma medicina preventiva, em que o próprio médico se resguarda e utiliza toda a tecnologia que tem ao seu dispor para evitar ser alvo de alguma prossecução judicial, para evitar que, posteriormente, lhe seja dito que poderia ter feito isto ou aquilo, mas não fez.

5Mas também temos de ver que a medicina já não está tão assente no paciente, no olhar o paciente, no perceber as pessoas, ver as pessoas como um todo, mas está muito mecanizada, muito burocrática e muito descentrada das suas questões essenciais.

6Há vários vídeos internacionais sobre esta temática do parto humanizado que são irónicos ao ponto de mostrar o médico que entra na sala de partos e que nem sequer olha para a mulher que tem na cama de parto. Entra, olha para o monitor, olha para os traçados cardiotocográficos e nunca olha para a cara daquela mulher, nunca a olha nos olhos, não lhe toca. Portanto, há essa desumanização efectiva nos serviços, sem dúvida. E penso que todos nós podemos observar isso em qualquer área da saúde.

7Para a HUMPAR, humanizar significa humanizar a situação do parto. A humanização, como a Dra. Ana Raquel Matos estava a dizer e muito bem, também tem a ver com responsabilização, mas passa também por se perceber que os médicos são pessoas que têm as suas emoções e que os pacientes não são só pacientes. As mulheres são mulheres grávidas que precisam de apoio e atenção.

8Quando falamos de parto domiciliar dizemos, em contraponto, que há 40 anos se morria muito mais em Portugal; que havia muitas mulheres que sofriam sequelas para toda a vida decorrentes do parto. Muitas morriam por falta de assistência e muitas crianças ficavam com problemas para o resto da vida, com paralisias cerebrais, etc., consequência de mau atendimento ao parto. Voltar atrás seria uma irresponsabilidade e seria um retrocesso relativamente a tudo aquilo que se conseguiu em 30 anos de Serviço Nacional de Saúde e de cuidados materno-infantis.

9Não me parece que a questão possa ser posta tão linearmente, porque o Portugal de há 40 anos não é o Portugal que temos hoje em dia! Os próprios recursos que agora existem, não existiam antes. Há 40 anos a maioria dos partos acontecia no domicílio. Só uma pequena franja da sociedade é que tinha acesso a cuidados de saúde no hospital e a pagar. O parto em casa era assistido por “curiosas”, as chamadas parteiras.

10Hoje está a recuperar-se a figura da parteira, em Portugal, mas no sentido de ser um profissional de saúde qualificado, um enfermeiro com especialidade em obstetrícia. Contudo, na altura, as histórias que nós conhecemos são da parteira analfabeta, da parteira que também era a merceeira da aldeia, da parteira que era a tia curiosa. Obviamente, nós não queremos voltar a esse passado, de certa forma, medieval. Hoje, temos profissionais de saúde qualificados. Portanto, não podemos comparar a maneira como se assiste a um parto no domicílio com o que acontecia há 40 anos.

11Por outro lado, as próprias mulheres estão muito mais informadas. As questões da educação, da higiene e da educação para a saúde, que são fundamentais, já não são as mesmas. E não nos podemos cingir só a uma comparação linear com o que acontecia.

12Hoje em dia não temos porque não pensar, porque não ouvir e reflectir sobre outras maneiras de nascer. Porque há muitas pessoas que optam por um parto domiciliário, como a Dra. Ana estava a dizer, provavelmente, como consequência do encerramento de algumas maternidades. Há hoje muita gente que escolhe um parto domiciliar, sem perceber muito bem o que está a escolher, mas, acima de tudo, porque não se revê no sistema de saúde e não se revê na maneira como é tratada nos hospitais.

13O que o Doutor Strecht Monteiro disse em relação à deambulação, por exemplo, não é uma realidade na esmagadora maioria dos nossos hospitais e não é só o aspecto formal de deambular, do estar a passear. Isso é um pequeno aspecto que vai interferir com toda a dinâmica e com toda a fisiologia do parto e também com as questões do alívio da dor, com a questão da mulher poder lidar com o seu trabalho de parto. Portanto, não é isso a que assistimos. Não vemos salas de parto acolhedoras e com ambiente arquitectónico semelhante ao de casa, como vemos noutros países europeus. Não vemos profissionais motivados e abertos ao diálogo com a mulher, fazendo-a perceber quais são as suas motivações, o que é que ela quer para o seu parto, de que maneira é que ela pode cooperar. Porque se todos cooperarem, certamente, as coisas vão fluir de uma forma muito mais produtiva. Há muita gente que vê o hospital como um ambiente hostil e acaba por escolher o parto domiciliar.

14A maioria das pessoas que escolhe um parto domiciliar, hoje em dia, são pessoas extremamente responsáveis, que ponderaram muito bem a sua decisão, que não vão ter um parto domiciliar por ignorância. Passa muito por saberem o que desejam para si, para o nascimento dos seus filhos, para a constituição da sua família.

15“Onde, como e a quem compete fazer nascer?” A um especialista. Uma enfermeira obstetra num parto de baixo risco, porque é assim que o modelo deve funcionar e funciona um pouco por toda a Europa. Os médicos devem reconhecer que as enfermeiras especialistas têm competência para atender um parto normal de uma gravidez de baixo risco e reencaminhar, ao mínimo sinal de risco, para outros especialistas, à semelhança do que se faz noutros países da Europa.

16“Onde?” Onde se reúnam as condições necessárias para que o parto ocorra com tranquilidade e segurança. E essas condições talvez possam existir em casa, se houver uma rede de transferência eficaz, se os profissionais que atendem os partos domiciliares estiverem cientes do seu papel e dos limites da sua acção.

17Há outra coisa muito complicada que, enquanto Presidente da HUMPAR, me preocupa bastante, que é fechar os olhos a uma situação que acontece com frequência, quando uma grávida diz ao seu médico assistente que quer ter um parto em casa e este começa a ralhar com ela como se fosse uma criança. Não é nada produtivo, a longo prazo, porque as pessoas afastam-se do sistema de saúde já que as situações ficam pouco claras, e tudo isto tem uma aura de clandestino, de ilegal, que se esconde. Quantas pessoas têm partos em casa e nem sequer contaram à família? Organizam-se clandestinamente nesse sentido, como se tivessem medo da repreensão. Isto não é uma maneira de se tratar este problema. Porque quem quiser o parto em casa vai tê-lo e nós não sabemos em que condições, nem com que profissional é que vai acontecer.

18Acho que é muito produtivo começar por estabelecer este tipo de diálogo. Perceber e ver, efectivamente, qual é o papel das enfermeiras especialistas neste paradigma do atendimento ao parto e não fechar a porta. Obviamente, eu compreendo, não há sistemas de referência eficazes em Portugal. Agora, se me falarem de um bebé nascer numa ambulância ou num táxi, numa estrada cheia de curvas, ou nascer no sossego da sua casa, com uma enfermeira especialista, digo que é melhor que esteja a nascer em casa com a assistência de um profissional de saúde do que num carro.

19Quando se diz que nascer em casa é um risco muito grande, é-o efectivamente! Mas eu comecei a minha intervenção dizendo que “nascer é um risco”, sempre, para a mãe e para o bebé. A grande maioria da população portuguesa ainda nasceu em casa e também há muitos que morreram. E há muitas mulheres que ficaram traumatizadas para o resto da vida, mas creio que é uma situação que a actual tecnologia e saberes da medicina podem ajudar a diminuir. Gostaria de salientar a necessidade de diálogo e que não há fórmulas correctas e que a forma como se nasce hoje em dia nos hospitais portugueses está longe de ser a ideal e está longe de ter comparação com os outros países da Europa.

20Em relação ao encerramento das maternidades, em termos orçamentais e governamentais, talvez se pudesse ter aproveitado essas maternidades para fazer centros de atendimento a partos de baixo risco, à semelhança do que acontece por toda a Europa. Centros de Nascimento devidamente inseridos nas suas competências e sistemas de transferência.

21Acima de tudo, acho que o hospital, dada esta noção de clandestinidade do parto em casa, e sendo onde nasce a grande maioria das pessoas, deve merecer a nossa atenção no sentido de melhorar o atendimento. Não é dizer: «Vamos deixar de nascer no hospital e vamos todos nascer em casa». De maneira nenhuma! Vamos melhorar o atendimento nos hospitais para que as pessoas se sintam bem-vindas e não tenham necessidade de estar a fugir do sistema de saúde. E aqueles que querem mesmo ter um parto domiciliar, não é correcto virar-lhes a cara; não é correcto o sistema de saúde ignorá-los e tratar essas mulheres como criminosas. Deve ouvi-las e respeitá-las.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Rita Correia, « Intervenção 5 », e-cadernos ces [Online], 11 | 2011, colocado online no dia 01 Março 2011, consultado a 27 Abril 2017. URL : http://eces.revues.org/1203

Topo da página

Autor/a

Rita Correia

É licenciada em Antropologia e trabalha, actualmente, como funcionária forense num escritório de advogados em Santarém. Em 2005 fez formação de doula pela Associação Doulas de Portugal. Activista dos direitos das mulheres, nutre igualmente um interesse profundo pelo nascimento humano. É, desde Dezembro de 2009, Presidente da Associação Portuguesa pela Humanização do Parto (HUMPAR) com quem colabora activamente desde o início da sua fundação. Representa a associação em vários projectos pluridisciplinares, nomeadamente no “Movimento Nascer Melhor” e no projecto “Pelo direito ao parto normal – Uma visão partilhada”.

Artigos do/a mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Les cahiers de Revues.org